23 de outubro de 2012

OLIVE OATMAN



Raptada em 1851, aos 13 anos, no Arizona (EUA), pelos índios Yavapai, Olive Oatman viu seis membros de sua família serem massacrados. Ela sobreviveu e foi vendida com a irmã para os índios Mojave, que a trataram relativamente “bem” até o exército americano resgatá-la cinco anos depois.

Para ser facilmente identificada, no caso de querer escapar, a menina foi marcada no queixo e nos 
braços com a tradicional “blue cactus needle tattoo” (ao pé da letra: tatuagem feita com os espinhos do cacto azul). Os Mohaves consideravam tatuagens uma forma de identificação em vida após a morte.

Após Olive Oatman ser resgatada, ela se tornou uma celebridade instantânea, e logo depois acabou por se casar com um fazendeiro e  mudou-se para o Texas. Ela morreu de um ataque cardíaco em 1903.

Se não fosse o livro escrito por um pastor da época (em 1857), ela com certeza seria uma aberração.
O livro vendeu mais de 30 mil cópias, e a menina sofrida virou uma espécie de heroína nacional. Inclusive a cidade de Oatman, no Arizona, é uma homenagem à sua história.



Fonte: google


Um comentário:

Opine, descubra, informe-se!